sábado, 25 de fevereiro de 2017

Sereno Silêncio


Deixei minhas memórias congelarem
Como poemas numa longa noite fria
Onde as estrelas não mais aquecem
E a lua já não mais serve como guia

Frases macias de anseios inexprimíveis
De todo afundadas em sereno silêncio
Esperando pela luz para serem visíveis
Desejando liberdade no escuro preênsil

No sereno silêncio tudo pode acontecer
Enquanto carregarem o anseio pela luz
Podendo ainda um futuro vir a conhecer
É metamorfose que a esperança conduz

No silêncio olhando as estrelas seguirei
Sem me preocupar em ter a lua como guia
Congelando poemas nessa longa noite fria
Esperando reencontrar a luz que desejei


domingo, 16 de outubro de 2016

Descobertas Nefastas

Eu descobri que a Justiça
Pode ser produzida em série
Sustentada por ódio e cobiça
Deixando a sociedade na paupérie

Eu descobri que a maioria
Define aquilo que é certo
Sobre as dores da minoria
Transforma o mundo em deserto

Eu descobri que a maioria
Pode ser manobrada
Para a benesse da tirania
Ela é sempre controlada

Conseqüentemente ter amigos
Faz minha força como humano cair
Eles são apenas testigos
De um mundo que está a ruir

Por isso eu escolhi a solidão
Não quero fazer parte disto
Por isso eu evito a multidão
Destas culpas eu desisto


quarta-feira, 28 de setembro de 2016

Crescente Escuridão


Eu sinto o seu toque
Lá fora cresce a escuridão
Já não há mais tempo para o perdão
Não há como evitar o choque

Fecho os meus olhos
Lá fora cresce a escuridão
O medo se espalha na amplidão
Feito uma praga de abrolhos

Apuro meus ouvidos
Lá fora cresce a escuridão
Toda vida sente essa lassidão
Crescente é o pranto pelos perdidos

Serro os meus dentes
Lá fora cresce a escuridão
Conseqüência de toda essa devassidão
Destruindo corpos e mentes



quarta-feira, 15 de junho de 2016

Quinhentas Vezes


Uma seara em palavras
Algumas doces, outras amargas
Traçando linhas como lavras
Fazendo em letras adagas e adargas

E assim fui por quinhentas vezes
Descrevendo horrores e encantos
Em monocromos ou ricas matizes
Entre alegrais e prantos

Acalentando a verdade
Acareando a mentira
Buscando a felicidade
Balançando entre o amor e a ira

Hoje o poeta pede uma pausa
Mas não se trata de letargia
Meu silêncio é por uma boa causa
E pode ser quebrado pela nostalgia



domingo, 12 de junho de 2016

Términos e Recomeços


A chuva caiu ao final da tarde
A luz transpassa entre as árvores
Um arco-íris se forma sem alarde
Pássaros cantam entre as flores

Onde partículas de luz e poeira se dividem
Nós também iremos nos separar
Pois nossas estrelas já não mais se colidem
Passarão a eternidade a vagar

Toda primavera traz uma flor desconhecida
Basta querer por ela encontrar
O amanhã virá mesmo que a noite seja sofrida
A dor no coração abranda se ele ainda puder amar

Eu adoraria te encontrar novamente
Naquele lugar que nos ensinou o que é amar
Mas agora tudo está tão diferente
Por este mundo ainda belo eu quero caminhar




quarta-feira, 8 de junho de 2016

Amor Esquecido

Temos hoje um amor esquecido
E por sua falta temos sofrido
Amor que por um Mestre fora ensinado
Já são dois mil anos desse legado

Dois mil anos e nada aprendemos
A sua essência ainda não entendemos
Desse amor que nos fora dado
Uma sabedoria deixada de lado

Mas o mestre ainda irá nos perguntar
E nada teremos para falar
Pois esse amor está escondido
Por ninguém ele é exercido

Ao teu próximo você amou?
Como teu irmão o considerou?
Com base nisso Eu irei te julgar
Essa é a medida que Eu irei usar 

domingo, 5 de junho de 2016

A Força do Tempo

Vejo no tempo uma ilusão
O maior engodo da criação
Onde tudo se diz perfeito
Onde a esperança fez seu leito


O tempo da dor é portador
Nivelando o ódio e o amor
E zera todos os nossos feitos
Igualando desonrados e eleitos


Ele esconde sobre sua poeira
As glórias de uma vida inteira
As grandes obras do passado
A pior guerra e o maior legado


Frente ao tempo tudo é uma quimera
Toda e qualquer forma é efêmera
Nada resiste ao seu eterno caminhar
Nada pode realmente ver o tempo passar