domingo, 25 de março de 2012

Uma Saudade

Minha alma dói
Uma ferida de morte
Uma dor que corrói
 
Sinto sua ausência
Um imenso vazio
Um vácuo na essência
 
Você já não existe mais
Só lembranças restaram
Dias passados, mas reais
 
Lagrimas e dor
Memórias felizes
Tristeza e amor
 
Espero-te no sonhar
Um desejo apenas
Para te reencontrar
 
Uma esperança vã e tola a vagar
De que tu ainda existas Judy
E que me esperas em algum lugar
 
Para juntos de novo caminharmos
Corrermos atrás de pássaros
Saltar, pular e brincar até cansarmos
 
Sentir mais uma vez
Seu focinho gelado
De sua lã, a maciez
 
Quero ver novamente
No azul de seus olhos
O amor que você sente
 
Para aliviar a dor
Que essa saudade traz
Junto com seu amor
 
.

quarta-feira, 21 de março de 2012

Velha Amiga

Espero novamente sua visita
Minha velha e poderosa amiga
Em mais uma hora tão aflita

Venha para junto de mim
Levar mais um dos meus
Por seus caminhos sem fim

Tu vais tirar-me um pedaço a mais
De meu tristonho coração
Uma alma criança que esquecerei jamais

Eu te peço, venho logo
Pois ela esta sofrendo muito
E a dor queima como fogo

Ela te será uma ótima companhia
Nesta sua caminhada
Por sua terra inóspita e sombria

Tão alegre brincalhona e divertida
Ela sempre gostou de correr ao meu lado
E lhe fará o mesmo nesta partida

Leve-a para um lugar sem dor
Para campos verdes e brilhantes
Onde ela possa dar e receber amor

Pois sempre assim viveu
Minha doce collie azul
Que tanta alegria me deu

Não se atrase, por favor,
Aperte seus passos
E ponha fim nesta dor

Deixe apenas as lembranças
Alegres de um cão/criança
Com saudades e esperanças

  

domingo, 18 de março de 2012

Minas Gerais

Montanhas e montanhas
Serras e chapadas
Com águas nas entranhas
 
Elas seguem cristalinas
Doces e frias
Pelos vales de Minas
 
Mantiqueira e Espinhaço
Cheias de cidades belas
Calorosas como um abraço
 
Onde a natureza é bela
Generosa como uma mãe
Poderosa mas singela
 
Serra da Canastra seja abençoada
O baú de um líquido tesouro
Das nascentes do Velho Chico és morada
 
Nestes recantos sugiram os mineiros
Povo calmo, mas corajoso
E acima de tudo, hospitaleiros
 
Com seus doces e quitandas
Pão de queijo com leite fresco
Cachaça servida nas varandas
 
Termas e vinhas
Queijos e licores
Frutas e pinhas
 
Um universo de sabores
Repleto de sabedorias
Com velhos e novos amores
 
Um grito pela liberdade
Dentro da Nação Brasil
Que ainda ruge com vontade
 
.

quarta-feira, 14 de março de 2012

Por Onde Começar?


Por onde começar?
O que dizer, do que falar?
Nem sei o que pensar.

Falta jeito, efeito,
Sobra preconceito
E todo tipo de preceito.

Alegria ou tristeza?
Amor ou frieza?
Com muitas formas de pobreza.

Fé ou humor?
Vida ou torpor?
Com alguns momentos de terror.

Paz ou guerra?
Mar ou terra?
Agora e numa nova era.

Pelo inicio ou pelo fim?
Longe ou dentro de mim?
Bem no meio do jardim.

Família ou amigos?
Mortos ou vivos?
Sem esquecer os inimigos,
Gratuitos ou merecidos.

Escrever apenas,
Sem nexo ou anexo.
Bem simples ou complexo.
Palavras em centenas.

O dito e o inaudito,
Moderno ou erudito
E se tiver a presença do maldito,
Valei-me São Benedito,
Com a ajuda de Santo Expedito.

Sim, sou cristão.
Mas também existe o pagão.
E é tudo gente com coração.
Exijo respeito para todos então.

Tolerância e educação?
Seria um ótimo começo,
Mas fica bem na finalização.

.