domingo, 7 de abril de 2013

Apenas Culpados


Eu vejo a escuridão
Em que o mundo mergulha
Sem fé e nem razão
Uma única bala na agulha

O próximo está morto
E Deus foi abandonado
O Estado está torto
E o cidadão desesperado

Impera a lei do mais forte
A única busca é a satisfação
A justiça não tem mais norte
A milícia está de prontidão

Os valores foram perdidos
A mídia ha muito se vendeu
Torpes estão os sentidos
O sofrimento não convenceu

A pobreza virou desculpa
Para falta de hombridade
E ninguém assume a culpa
Pelos atos de impunidade

Pais preocupados com mais valia
Não constroem mais valores
Um campo fértil para a covardia
Um grande circo de horrores

A morte está banalizada
O sucesso é medido em saldos
A esperança foi fossilizada
A honestidade é para os parvos

Todos querem os direitos
Ninguém quer os deveres
Põe-se a culpa nos eleitos
Mas ela é dos eleitores



Um comentário:

  1. arquiteta Walnice Zuffo7 de abril de 2013 20:27

    Quanta lucidez! Parabens, isso é raro no ser humano contemporaneo.

    ResponderExcluir

Muito obrigado por sua opinião.